O Senhor dos Anéis- Enia -Clique na seta para ouvir

SOBRE OS LIVROS

Depois da recente obra, FLORAIS DE BACH NO RESGATE DA AUTOESTIMA, mais um livro foi editado, NUMEROLOGIA CÁRMICA NO 3º MILÊNIO. Ambos estão à venda na loja virtual da Editora PerSe 2.0. Veja as sinopses nos banners ao lado...

Anny Luz

DIÁLOGO FAMOSO

O astrônomo Edmond Halley, ao ver Isaac Newton debruçado durante horas sobre os mapas astrais, perguntou-lhe: Você acredita nesta bobagem? Resposta: Quantos anos você estudou astrologia para afirmar que é bobagem?...

domingo, 11 de novembro de 2012

A DIVINA PROPORÇÃO

Diferença entre o PI e o PHI-  
Todos nós já ouvimos falar em número Pi. É o irracional mais famoso da história da matemática, com o qual se representa a razão constante entre o perímetro  de qualquer circunferência e o seu diâmetro.  Equivale a: 3,141592653589793238462643383279502884197169399375... e  é  conhecido vulgarmente como 3,1416.
 
Mas não confundir com o número Phi, (letra grega que se pronuncia "fi") e que corresponde a 1,618.

Apesar de não ser tão  conhecido, tem um significado muito mais profundo e interessante.
O número Phi, ou número de ouro é um número irracional, misterioso e enigmático, que  surge numa infinidade de elementos da natureza, na forma de uma proporção, conhecida como, a Divina Proporção.

Desde o início dos tempos o homem procurou a beleza perfeita, a proporção ideal.
Os gregos descobriram então o chamado retângulo de ouro, do qual  extraiu-se uma proporção: o lado maior dividido pelo lado menor. E à  partir dessa proporção tudo era construído. Assim eles fizeram o  Parthenon: a proporção nos retângulos que formam a face central e a  lateral; a profundidade dividida pelo comprimento ou altura; tudo seguia uma proporção ideal de 1,618.
Os Egípcios fizeram o mesmo com as pirâmides: cada pedra era 1,618  menor do que a pedra de baixo, ou seja, a de baixo era 1,618 maior que  a de cima, que era 1,618 maior que a da 3ª fileira e assim por diante.
 
No ano 1200,  Leonardo Fibonacci um matemático que estudava o  crescimento das populações de coelhos, descobriu aquela, que é  provavelmente a mais famosa sequência matemática, a Série Fibonacci.

Apesar de ser atribuída a Fibonacci, existem registros muito antigos, que reportam essa descoberta ao grande mestre, sábio e matemático Pitágoras.
Mas  Fibonacci sistematizou o seu estudo e o registrou, publicando em seu livro “Liber Abaci”. A partir de dois coelhos, Fibonacci foi contando como eles aumentavam, a partir da reprodução de várias gerações e chegou a uma sequência onde um número é igual à soma dos dois números anteriores, em que os dois primeiros números é 01(os 2 coelhos iniciais: o macho e a fêmea): 1+1=2 -  2+1=3 -  3+2=5 -  5+3=8 -  8+5=13 - 13+8=21 -  21+13...e assim por diante.
 
Aí começa a primeira "coincidência": a proporção de crescimento média da  série é, 1,618 (o número Phi).

Os números variam, um pouco acima ou um pouco abaixo, mas a média é 1,618 - exatamente a  proporção das pirâmides do Egito e do retângulo de ouro dos gregos.
Essa descoberta de Fibonacci abriu um mundo de possibilidades, a ponto de os cientistas começarem a estudar toda a natureza em  termos matemáticos e começaram a descobrir coisas extraordinárias.
Por exemplo:
- A proporção de abelhas fêmeas em comparação com abelhas machos numa  colmeia é de 1,618;
- A proporção que aumenta o tamanho das espirais de um caracol é de 1,618;
- A proporção em que aumenta o diâmetro das espirais sementes de um  girassol é de 1,618;
- A proporção em que se diminuem as folhas de uma árvore à medida que  subimos de altura é de 1,618;  

E não só na Terra se encontra tal proporção. Nas galáxias, as estrelas  se distribuem em torno de um astro principal numa espiral, obedecendo à  proporção de 1,618.
Por isso, o número Phi ficou conhecido como:  A DIVINA PROPORÇÃO ou PROPORÇÃO ÁUREA.


Seria tudo isso uma simples coincidência ou seria uma prova incontestável da Perfeição Divina imperando no planeta Terra e em todo o Universo?




Por volta de 1500, com o retorno do Renascimento, a cultura clássica voltou à moda.
Michelangelo e, principalmente Leonardo da Vinci, grandes amantes da  cultura pagã, colocaram esta proporção natural em suas obras. Mas Da  Vinci foi ainda mais longe: ele, como cientista, usava cadáveres para medir as proporções do corpo humano e descobriu que, nada obedece tanto a DIVINA PROPORÇÃO quanto o corpo humano, obra  prima de Deus.
 
Por exemplo:- Meça sua altura e depois divida pela altura do seu umbigo até o chão: o resultado é 1,618.
- Meça seu braço inteiro e depois divida pelo tamanho do seu cotovelo  até o dedo: o resultado é 1,618.
- Meça seus dedos, ele inteiro dividido pela distância da dobra  central até a ponta ou da dobra central até a ponta dividido pela  segunda dobra: o resultado é 1,618;
 
- Meça sua perna inteira e divida pelo tamanho do seu joelho até o  chão. O resultado é 1,618;
- A altura do seu crânio dividido pelo distância da sua mandíbula até  o alto da cabeça dá 1,618;
- Da sua cintura até a cabeça e depois só o tórax: o resultado é 1,618;
 
Considere sempre erros de medida da régua ou fita métrica, que não são instrumentos precisos de medição.
 
Tudo, cada osso do corpo humano, é regido pela Divina Proporção.
Coelhos, abelhas, caramujos, constelações, girassóis, árvores, arte e  o homem, coisas teoricamente diferentes, são todas ligadas numa  proporção única, que todos têm em comum.
Encontramos ainda o número Phi em famosas sinfonias, como a 9ª de Beethoven, e em outras diversas obras.
Até hoje essa é considerada a mais perfeita das proporções.
Não por acaso é usada, hoje, pelos "inteligentes", no nosso sistema capitalista:
Meça seu cartão de crédito, largura x altura, seu livro, seu jornal,  uma foto revelada. Lembre-se de considerar sempre possíveis erros de  medida da régua ou fita métrica.

Mas lembre-se, principalmente, de render-se e extasiar-se humildemente diante desse vasto, infinito e misterioso Universo, que rege tudo com suas poderosas leis.

Compartilhe!



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Um comentário: